Formação de pastagem deve começar no início das chuvas

O início das chuvas é o melhor momento para a formação de boas pastagens. Além da escolha das forrageiras, existem outros cuidados para garantir o bom desenvolvimento do pasto. É preciso fazer a análise do solo para verificar se é preciso algum tipo de correção, como aplicação de calcário, fósforo e potássio.  Solos mal preparados podem ser causa de insucesso na formação da pastagem. Algumas forrageiras precisam de solos férteis enquanto outras são tolerantes ao plantio em solos sem adubação.

A reposição de nutrientes ao solo, por meio da adubação, é fundamental para garantir boa produtividade e qualidade adequada pensando na nutrição de bovinos. Existem várias técnicas para o preparo do solo, como o preparo convencional com aração e gradagem e o plantio direto, sem revolvimento do solo. O produtor deve escolher o preparo de solo de acordo com a realidade da sua propriedade.

Espécies mais exigentes plantadas em condições inadequadas de fertilidade poderão ter sua produção comprometida em pouco tempo, inviabilizando o sistema do ponto de vista econômico. Segundo o professor da Esalq Moacyr Corsi, a cada mês que o pecuarista atrasa a semadura ele pode perder 5 arrobas nesse período.

A escolha da espécie forrageira também é importante. Ela precisa ser compatível com o clima e as condições da fazenda. De acordo com o pesquisador da Embrapa Gado de Corte Rodrigo Barbosa, não adianta plantar uma espécie muito produtiva, mas que seja suscetível à cigarrinha, em uma região que tenha incidência dessa praga. Já capins que não toleram solos encharcados normalmente morrem quando plantados em várzeas úmidas, levando à degradação da pastagem em pouco tempo. Existem também forrageiras indicadas para cada fase do sistema de produção, como recria ou engorda ou outra atividade pecuária.

A qualidade da semente também deve ser priorizada. Adquirir sementes de empresas sérias e conhecer o valor cultural da semente contribui para o sucesso do plantio da forrageira.   Em relação à profundidade e densidade de plantio, quando plantadas muito profundas podem não emergir na superfície do solo e comprometer o estande inicial de plantas. A densidade de plantio dependerá da espécie e do valor cultural. Segundo o professor da Universidade Federal de Uberlândia Leonardo Barbero, a entrada e saída dos animais não pode prejudicar a produção de matéria seca. Cada espécie tem uma altura indicada.

Os três especialistas falaram sobre a formação de pastagem durante o Encontro dos Encontros, evento realizado pela Scot Consultoria na primeira semana de outubro.

Esta entrada foi publicada em Notícias. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.